×

Espetáculo Teatro Fórum

Espetáculo Teatro Fórum

Informativo
25 Mai 2018 14h31 atualizado 25 Mai 2018 14h34

No dia 04 de maio de 2018, foi apresentado no auditório do Centro Educacional Sesc Cidadania para os alunos do  Ensino Fundamental anos finais, uma montagem baseada no teatro fórum, um método teatral feito a partir do teatro do oprimido criado por Augusto Boal, onde se produz uma encenação baseada em fatos reais, no qual oprimidos e opressores entram em conflito, na defesa de seus desejos e interesses. No conflito, o oprimido fracassa e o público é estimulado pelo curinga (facilitador), a entrar em cena no  lugar do oprimido e buscar alternativas para o problema encenado.

O processo de criação das cenas apresentadas iniciou com uma aula expositiva sobre o teatro do Oprimido de Augusto Boal, um dos tipos de teatro que esse grande autor dramaturgo e teatrólogo criou e sua importância para o teatro político e para a sociedade brasileira. Após realizar alguns exercícios práticos de técnicas do teatro do oprimido, a fim de sensibilizar os alunos/atores, foi feita uma discussão sobre os problemas sociais que os estudantes enxergavam na escola, principalmente referente às relações com os colegas. O tema abordado a partir dos diálogos foi bullyng.  
                                                                            
Foram apresentadas então,   duas cenas retratando o bullying, problema tão presente na vida escolar. A partir das vivencias dos alunos do curso de teatro, os professores e alunos puderam interferir quando solicitado, propondo diálogos interessantes a partir de diferentes pontos de vista.

Segundo a instrutora de teatro Alinne Vieira, os alunos atores crescem muito tecnicamente, pois precisam estar preparados para improvisar várias vezes, sem sair da personagem a cada intervenção do público. E como seres atuantes na situação representada, repensam suas atuações também na vida cotidiana, facilitando assim, a sensibilização dos alunos de maneira diferente. 
 
Para a instrutora, o teatro fórum tem um poder revolucionário, pois reflete a realidade de quem assiste de forma ampliada por meio do teatro, e propõe que o espectador vire também ator, interfira e modifique a cena, encontrando meios e possibilidades que podem fazer refletir, e criticar a realidade.